O grande equívoco

Um fato inusitado aconteceu também durante o Derby de vaquejada em Bezerros. A inspeção este ano começou na quarta-feira a tarde. Pela manhã houve uma reunião com o diretor da ABQM Sr. Chico Garcia para se formar novos juízes de equipamentos. Pois bem, a inspeção tem a função precípua de identificar os cavalos que irão participar do evento, numera-los e fiscaliza-los durante a corrida. Estão-se com os equipamentos em ordem, se sangram se apresentam algum tipo de alteração fisiológica fora do padrão (dor muscular, claudicação, sangramento nasal). Na quinta-feira à tarde eu estava no final da pista inspecionando os cavalos quando chegou um estagiário esbaforido da carreira que havia dado até onde eu estava mal conseguindo falar: - Doutor, Doutor Travassos... A doutora está chorando lá na inspeção. – E o que foi que houve Toninho? – Eu não sei, mais acho que tem algo haver com a mãe da doutora. Fiquei logo alterado, e pensei será que a veia morre, foi meu primeiro pensamento. Pedi que vencesse me substituir e corri para onde estava Fernanda. Quando eu cheguei à cena era estarrecedora, Fernanda estava sentada com as duas mãos na cabeça e apoiada por duas amigas Deisy e Poliana e era só choro. – Nanda, o que foi que houve? Quando ela me viu balbuciou algo ininteligível: - A bichinha sumiu. – Eita porra foi mesmo? E quando foi isso? – Foi essa madrugada. – Mas, Nada eu nem sei o que dizer. Que bronca da molesta. Ela, chorando copiosamente se levanta e me abraça soluçando: - Eu não sei o que vou fazer da minha vida agora. – Calma mulher, isso é uma situação que todo mundo passa. – Mas isso vem acontecer exatamente essa semana logo no Derby. – Pois é minha filha, ninguém combina o dia que vai morrer. – E ela morreu? – Oxente, o Toninho me disse que ela havia morrido. – Agora é que deu bom mesmo, vou embora pra casa. - Tá certo meu amor vá, vá resolver as coisas. Assim que der eu chego lá. E ela novamente desabou no choro: - A bichinha morreu... Ainda era nova. E eu cabisbaicho disse: - Era mesmo, mas a veia era muito estressada ia terminar tendo um catiripapo. – Como assim? Perguntou-me Fernanda meio atônita. – Ora, Nanda tua mãe era muito estressada ia acontecer mais cedo ou mais tarde. – O que, que tem minha mãe? – Não foi tua mãe que morreu? Perguntei rápido como um raio. – Não, não foi minha mãe que morreu foi Suzy (nossa cadela Border velhinha), que sumiu de madrugada. – Ah, foi Suzy quem sumiu, eu pensei que tua mãe tinha morrido. Vá pra casa procura-la que eu seguro as contas por aqui. Despedi-me dela e voltei para o final da pista no caminho cruzei com o estagiário o Toninho e disse-lhe: - Você é foda, me fez matar a sogra e depois ressuscita-la. Era da cachorra que a doutora estava chorando. – Vige Maria, disse Toninho, aquele desmantelo todo por causa da cachorra. – É meu velho pra você ver. – Ô doutor perguntou-me sério o Toninho. Será que quando o senhor morrer a doutora vai chorar daquele jeito? Parei, pensei e disse-lhe: - Não sei, Toninho, não sei.